Bem vindo...

...bem vindo a porta que te levará a viajar comigo; que te fará meu companheiro(a) em cada nova aventura... e história nas antigas; venha, vamos juntos conhecer o mundo... Andarilho.

Quem sou eu

Minha foto
Rolim de Moura, Rondônia, Brazil
...Motociclista aventureiro, apaixonado pela vida e pela liberdade... ...Antonio o Andarilho; é natural de Dourados –MS, tem 43 anos; autodidata em moto turismo; é otimista, prega e tem por objetivo: viver a vida intensamente com responsabilidade; preza pela direção defensiva e responsabilidade no trânsito, é disciplinado e adora desafios; membro das redes: Brazil Rider's, AME-BR e Irmandade Sem Fronteiras ; fundador e membro ativo do Moto Grupo Expedicionários da Amazônia; também membro da Iron Butt Association, Iron Butt # 45.581 do mundo; não é apegado a bens materiais; vive em Rolim de Moura –Rondônia -Brasil, com sua esposa e dois filhos menores; ex militar do Exército, atualmente comerciante; possui vasta experiência em viagens de curto, médio e longo alcance; e tem prazer em planejar, organizar e executar expedições, viagens e passeios; sempre muito bem acompanhado por sua fiel companheira "Sarita", sua Nx 350 Sahara 1999, a qual possui e viajam juntos a muitos anos; conhecedor da mecânica básica de motos; fala espanhol; e possui curso e estágio de 1ºs socorros e sobrevivência do Exército Brasileiro. Informações e contato; e-mail: andarilhoexpedicoes@gmail.com

sexta-feira, 22 de março de 2013

Peru e Bolívia: a melhor época

Nas localidades do Altiplano do Peru (como Puno e Cusco) e da Bolívia (como La Paz), é grande a amplitude térmica diária durante todo o ano: as primeiras horas da manhã são muito frias e a temperatura sobe até o começo da tarde para, no final do dia, ir caindo lentamente. O que mais influencia a sensação térmica é o fato de estar fazendo sol ou não. Aliás, nos dias ensolarados, você já sente a diferença de temperatura quando caminha na sombra. As noites são sempre frias e as madrugadas, geladas. No inverno, evidentemente, o frio é mais intenso, mas os dias costumam ser secos e ensolarados. É a alta estação. Quem quiser ver a Festa do Sol em Cusco (24 de junho) pegará o início de um inverno em que as cidades turísticas do Altiplano lotam de visitantes estrangeiros e os preços sobem. Já o verão não é a época mais adequada para se visitar o Altiplano, pois chove de dezembro até meados de março, quando as estradas podem ficar bloqueadas. No litoral peruano, apesar da latitude equivalente à dos Estados do Nordeste brasileiro e da altitude zero, no nível do mar, chuvas são quase inexistentes em qualquer época do ano e as temperaturas nunca são muito altas nem baixas. Nas noites de inverno, a temperatura dificilmente fica abaixo dos 12ºC, enquanto que, no auge do verão, é raro os termômetros ultrapassarem os 30°C. Isso se explica pela proximidade dos Andes e pela influência da corrente fria de Humboldt, que acompanha a costa do Pacífico. A região amazônica é quente e úmida em qualquer época do ano. Como as maiores atrações se encontram no Altiplano, as melhores épocas para se visitar o Peru e a Bolívia são a primavera e o outono. Os meses ideais são abril, maio, setembro e outubro. Se não puder ir nessa época, prefira o inverno ao verão. Essas referências, porém, não são estáticas. Peru e Bolívia são países periodicamente afetados por “El Niño” e “La Niña”, fenômenos climáticos complexos, relacionados com a variação da temperatura da superfície do Oceano Pacífico, que ocasiona significativas alterações nos ventos e na umidade do ar, influenciando, por vezes, o clima de todo o planeta.
                                                                                             Trecho do guia de viagem PERU E BOLÍVIA da série GTB - Guia do Turista Brasileiro, pág. 50