Bem vindo...

...bem vindo a porta que te levará a viajar comigo; que te fará meu companheiro(a) em cada nova aventura... e história nas antigas; venha, vamos juntos conhecer o mundo... Andarilho.

Quem sou eu

Minha foto
Rolim de Moura, Rondônia, Brazil
...Motociclista aventureiro, apaixonado pela vida e pela liberdade... ...Antonio o Andarilho; é natural de Dourados –MS, tem 42 anos; autodidata em moto turismo; é otimista, prega e tem por objetivo: viver a vida intensamente com responsabilidade; preza pela direção defensiva e responsabilidade no trânsito, é disciplinado e adora desafios; membro das redes: Brazil Rider's, AME-BR e Irmandade Sem Fronteiras ; fundador e membro ativo do Moto Grupo Expedicionários da Amazônia; também membro da Iron Butt Association, Iron Butt # 45.581 do mundo; não é apegado a bens materiais; vive em Rolim de Moura –Rondônia -Brasil, com sua esposa e dois filhos menores; ex militar do Exército, atualmente comerciante; possui vasta experiência em viagens de curto, médio e longo alcance; e tem prazer em planejar, organizar e executar expedições, viagens e passeios; sempre muito bem acompanhado por sua fiel companheira "Sarita", sua Nx 350 Sahara 1999, a qual possui e viajam juntos a muitos anos; conhecedor da mecânica básica de motos; fala espanhol; e possui curso e estágio de 1ºs socorros e sobrevivência do Exército Brasileiro. Informações e contato; e-mail: andarilhoexpedicoes@gmail.com

quinta-feira, 27 de abril de 2017

Expedição Machu Picchu; 12º dia-13 de julho de 2008

Depois de quase 10 anos encontrei meu caderninho com nosso diário de bordo e então estou postando...

Após tomar um café reforçado; ajeitamos nossa bagagem nas motos e partimos para Copacabana na Bolívia; conhecer a parte boliviana do Lago Titicaca. O Lago Titicaca é dividido da seguinte forma: 60% Perú e 40% Bolívia. Quando estamos na parte peruana, os peruanos dizem assim: Titi-Perú, Caca-Bolívia. E na Bolívia eles dizem o contrário: Titi-Bolívia, Caca-Perú. Existe uma grande rivalidade entre eles, resquícios do tempo em que Perú e Bolívia guerrearam; pois num passado distante, já foram um só povo. Entre Puno e a fronteira com a Bolívia, alcançamos um inglês viajando a América do Sul de bicicleta; algumas fotos e seguimos. Logo mais a frente, deixamos a estrada que segue para Desaguadero e tentamos pegar a esquerda; mas como estava em obras, a pessoa responsável pela sinalização, uma mulher; sinalizava que teríamos que seguir direto. Se a gente não tivesse ligado na situação, e não tivéssemos conhecimento do mapa daquela região, teríamos ido erradamente para Desaguadero. Então dissemos à mulher, que estávamos indo para Copacabana; então ela nos confirmou que seria por ali mesmo, onde a estrada estava em obras. Pensa numas pedras soltas boiando na estrada em obras; mas seguimos adiante e logo chegamos à fronteira. Fizemos os trâmites exigidos e rodamos por mais 07 km até chegarmos a Copacabana. Nuestra Señora de Copacabana, ou simplesmente Copacabana; é um lugar lindo na beira do Lago Titicaca, parte boliviana obviamente. Paramos as motos na beira do lago e fomos almoçar ali mesmo numa barraca/restaurante. Almoçamos: arroz, batata frita, salada e truta frita. Comida deliciosa. A truta é um peixe que foi trazido do Canadá, e se adaptou bem no Lago Titicaca e região andina, com suas águas frias por conta da altitude. Depois do almoço fomos procurar hotel; então encontramos um do nosso agrado. Hotel do “nosso agrado” era o hotel que tivesse onde guardar as motos em segurança. Descarregamos o necessário das motos e saímos para navegar no lago. No caminho entre o hotel e a beira do lago, o Roberto se deparou com dois moradores jogando xadrez; depois de conversarem um pouco sobre xadrez, foi a vez do Roberto mostrar suas habilidades no xadrez aos bolivianos. Ganhou fácil deles. Chegando a beira do Lago Titicaca; contratamos um passeio de barco pelo lago. Nos levou nos tanques redes onde as trutas são criadas em cativeiro; muito interessante e divertido. Voltando a cidade, tomamos uma cervejinha gelada na beira do lago, acompanhada por uma truta bem fritinha; “bien doradita por favor”. Dali voltamos para o hotel, e depois de um bom banho, saímos para jantar. No restaurante onde fomos jantar conhecemos um argentino chamado Alejandro, e também reencontramos o casal de cariocas, Nelson e Cláudia, que havíamos conhecido em Puno, no passeio ao Lago Titicaca, nas ilhas flutuantes Los Uros. Então nos juntamos e regado a um bom vinho chileno, comemos uma pizza muito saborosa por sinal. Na hora de voltarmos para o hotel dormir, como sempre aquele friozinho básico.


 Inglês viajando de bicicleta pela América do Sul





 Lago Titicaca













 Chegando na fronteira Peru/Bolívia



 fronteira lado peruano







 Enfim, na Bolívia

 Trâmites de fronteira











 Almoçando em Copacabana na beira do Lago Titicaca



 Truta frita



 Hotel

 Vista do nosso quarto





 Copacabana vista do nosso quarto





Nossas companheiras descansando 

 Linda essa cidade























 Roberto jogando xadrez com  um morador local

 Sem chance para o hermano kkkkkkkkkk



 Partindo para o passeio no lago





























 Trutas criadas em cativeiro







 Trutas













 De volta à cidade



 Batizado de carro



 Motos para alugar

 Um cervejinha gelada no fim da tarde; com uma truta fritinha de tira gosto.

 Salud!!!

 Fazendo amigos.

 Lindo de ver eim, kkkkkkkkkkk







 Casal de argentinos indo para o Alaska nessa espécie de fusca

 Eu, Roberto, Alejandro e o casal Nelson e Cláudia.

Presentes para a esposa.